DIÁRIO DE BORDO: CAPÍTULO SEIS – O MEU IMPACTO POSITIVO NO MUNDO

Atualmente estou muito contemplativo com o meu caminhar e todas as minhas realizações (nunca fiz mapa astral ~um sonho ~ mas o mês de setembro, desde 2017, traz essa sensação). Não no sentindo arrogante, mas sim que venho afinando o meu desejo em deixar um legado e isso só depende de mim. 
Ano passado nessa mesma época eu já estava com o intuito de criar mudanças e as poucos fui criando essa semente na minha cabeça. Todas as minhas energias nesses 12 meses foram em busca desse objetivo e ele aparece em diversas formas, a mais tangível delas é o meu entender do impacto positivo que quero criar no mundo. 
Obviamente isso não é um trabalho fácil, foram algumas sessões de terapia e um programa de mentoria, o Mapmaker, que trabalha no sentido de habilitar e capacitar empreendedores, por meio da colaboração para negócios criativos.
O processo do Mapmaker, realizado pela Mariana Francisco em parceria com o FashionLab, em Blumenau, nos faz olhar para nós mesmos, através do autoconhecimento, para encontrar nosso propósito, missão e assim criarmos um negócio, no sentido empresarial da palavra. Mas principalmente o impacto positivo que queremos deixar no mundo. 
Como qualquer processo ele não acontece da noite para o dia e requer foco, capacitação e muita força de vontade. Como o Mapmakers, infelizmente, está encerrando, essa minha contemplação (novamente: ao caminhar) tem sido ainda mais prazerosa. Principalmente por entender que impacto positivo não é nenhum bicho, mas sim, algo que você realiza todos os dias sem nem ao menos ligar – ou seja, ele faz parte da sua vida constantemente.
O DIA QUE EU ACHEI O IMPACTO POSITIVO
Impacto positivo é algo que se sente, lembro que a Mariana me fez enxergar o meu e na hora não liguei muito. O tempo passou e aos poucos fui recebendo ele pela boca de outras pessoas – que não tinham ligação nenhuma com o processo e não sabiam dele. Mesmo ele estando constantemente na minha frente, me fiz de desentendido e continuei a caminhada.
Foi quando, em um sonho, ele reapareceu e me fez realmente enxergar como estava (e esteve) presente em diversos momentos na minha vida, profissional ou não. Então o segurei pela mão e disse: então agora que estamos devidamente apresentados, vamos embora que no caminho eu te explico! E agora somos assim, se antes ele era um anônimo que eu já realizava sem saber, agora é meu propósito. 
MAS QUAL É O MEU PROPÓSITO?
Desde muito novo eu ouvi e sentia que realizava conexões. Lembro dos meus aniversários com os mais diversos grupos de pessoas e via nisso como umas das minhas características mais bacanas: de transitar nos mais diversos ambientes e ali criar interações entre eles. 
Agora com tudo isso na minha cabeça e me martelando nos últimos três meses eu realmente entendi que eu estou aqui para criar conexões positivas. O engraçado que durante o processo ouvi em um trabalho, “o clima está muito gostoso aqui, rolou uma conexão nesse grupo”. 
Isso mexe tanto que ao escrever essas palavras me emociono de felicidade em encontrar algo que me move e faz acordar todos os dias – mesmo que antes ele estava presente, mas de forma obscura. Como se eu encontrasse meu objetivo no mundo. Mas não digo isso apenas como um discurso, mas sim, que agora conscientemente vou realizar ainda mais conexões e esse será sempre meu desejo.
VAMOS NOS CONECTAR?
O site nasceu um pouco com esse propósito: conectar a minha vontade em escrever sobre música – que em 2008 fazia parte do escopo de assuntos – com as pessoas. Tanto conectou que ele me abriu inúmeras portas e oportunidades.
NOVAS CONEXÕES:
E todas essas mudanças serão reveladas e materializadas no dia 28 de setembro, quando celebro 10 anos de produção de conteúdo voltado para a internet. O objetivo é criar novas conexões. Sim. Abrir novos caminhos e principalmente transbordar esse impacto positivo pelo mundo.

Comentários